A Sociedade    |    Palavra do Presidente    |    Oftalmologistas Sócios    |    Sociedades Filiadas    |    Leis e Normas    |    Glossário    |    Recomendações
Artigos Originais Revista vol.77 - nr.1 - Jan/Fev - 2018

Validação de um novo conceito ergonômico de aplicação do colírio para indivíduos com alterações motoras

Validation of a new ergonomic design of application of eye drops for individuals with physical changes

Autores:Alan Patricio da Silva1, Francis Meire Fávero2, Acary Souza Bulle Oliveira3, Célia Regina Nakanami4, Thais Massetti5, Luiz Carlos de Abreu6, Vagner Rogério dos Santos7

Resumo

Introdução: As alterações motoras podem comprometer diversas atividades funcionais, o que impacta a qualidade de vida. Considerando as complicações relacionadas à secura da córnea e a dificuldade de realizar lubrificação regular devido à perda de amplitude de movimentos e consequentemente a perda funcional e autonomia torna-se relevante o estudo de novas soluções para suprir a necessidade dos indivíduos, sendo assim dispositivos são criados com o intuito de minimizar as dificuldades motoras. Objetivo: Avaliar um novo conceito ergonômico de um frasco facilitador para aplicar colírio utilizado por pessoas que apresentam alterações motoras. Métodos: Foi analisado a alteração dos movimentos do indivíduo e aplicado os conceitos do design associados a parâmetros ergonômicos para o desenvolvimento do produto. Resultados: O protótipo de frasco para aplicação de colírio foi elaborado e testado em um indivíduo que apresenta alteração nos membros superiores e importante limitação de amplitude de movimento. Este teste de uso do conceito ergonômico obteve sucesso para acessar o objeto e posicionar corretamente para a aplicação. Conclusão: O protótipo de frasco de aplicação de colírio obteve sucesso no teste submetido e o conceito ergonômico foi avaliado pelo participante com comprometimento motor como um objeto adequado para a função proposta.
 

Descritores: Lubrificantes oftálmicos/administração & dosagem; Equipamentos de autoajuda; Liberdade; Engenharia humana; Instrumentação

Abstract

Introduction: Motor alterations can compromise several functional activities, which impact the quality of life. Considering the complications related to dryness of the cornea and the difficulty to perform regular lubrication due to the loss of range of movements and consequently the functional loss and autonomy becomes relevant the study of new solutions to supply the need of the individuals, being thus devices are created with the aim of minimizing motor difficulties. Objective: To evaluate a new ergonomic concept of a facilitator bottle to apply eye drops used by people with motor alterations. Methods: It was analyzed the alteration of the movements of the individual and applied the concepts of the design associated to ergonomic parameters for the development of the product. Results: The prototype flask for the application of eye drops was elaborated and tested in an individual who presented alteration in the upper limbs and important limitation of range of motion. This test of use of the ergonomic concept was successful to access the object and position correctly for the application. Conclusion: The developed prototype of eyewash application bottle was successful in the submitted test and the ergonomic concept was evaluated by the participant with motor impairment as a suitable object for the proposed function.

Keywords: Lubricant eye drops/ Administration & dosage; Self-help devices; Freedom; Human Engineering; Instrumentation


_________________________________________________________________
1 Mestre em ciências da Saúde- Faculdade de Medicina do ABC- FMABC, Santo André, SP, Brasil. Especialista em Design de Produto - Fundação Armando Álvares Penteado - FAAP, São Paulo, SP, Brasil.
2 Doutora em Ciências pelo Departamento de Neurologia e Neurocirurgia da Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP, São Paulo - SP, Brasil.
3 Disciplina de Neurologia, Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.
4 Setor de Reabilitação Visual e Visão Subnormal, Departamento de Oftalmologia e Ciências Visuais da Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.
5 Mestre e Doutoranda em Ciências, pelo programa Ciências da Reabilitação da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - FMUSP, São Paulo, SP, Brasil.
6 Laboratório de Delineamento de Estudos e Escrita Científica, Faculdade de Medicina do ABC, Santo André, SP, Brasil.
7 Departamento de Oftalmologia e Ciências Visuais e do Departamento de Neurologia da Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Estudo realizado no Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo / Escola Paulista de Medicina, São Paulo, SP, Brasil.

Os autores declaram não haver conflitos de interesse. Recebido para publicação em 12/06/2017 - Aceito para publicação em 09/11/2017.

 

Introdução


No Brasil a população que declarada ter algum tipo de deficiência sendo um total de 45,6 milhões (23,9%), onde 7% desses deficientes apresentam alguma alteração motora.(1) Dentre as diversas limitações do indivíduo, o que mais se destaca são aquelas que impossibilitam a realizar atividades de vida diária (AVD).(2) Sendo assim entender as queixas principais e criar artifícios que possibilite a independência podem fornecer possibilidades de inovações tecnológicas que podem auxiliar os indivíduos acometidos por algum tipo de alteração motora.

O estudo de Persson de 2014, coloca em evidência a acessibilidade de equipamentos que possa auxiliar esses em determinadas atividades.(3) Como a capacidade de apreensão e a força para segurar ou operar objetos e entender as características deste comprometimento são de suma importância.(3) As execuções manuais se apresentam em maior destaque devido ao seu movimento complexo para realizar inúmeras tarefas de AVD.(2,3)

Quando o indivíduo é acometido por alguma patologia ou trauma que impede ou limita suas ações motoras, os movimentos mais simples podem se tonar complexos ou até inviáveis, como dosar medicamentos é até mesmo gotejar um colírio. Visto esta última observação, podemos notar que esta atividade envolve um alto grau de desempenho motor, equilíbrio, percepção visual de profundidade, pois é necessária uma aproximação do objeto nos olhos, e esta manobra pode ser difícil para esses indivíduos.(3,4)

Outro fato importante em muitos casos de indivíduos que apresentam limitações motoras, é o quadro oftalmológico, que também pode estar associado devido a lesão do sistema oculomotor, comprometendo o filme lacrimal e suas funções, essa barreia natural contra partículas estranhas ao organismo, responsável pela lubrificação da superfície ocular, promove a cicatrização adequada e o transporte de oxigênio ao olho. A evaporação acelerada ou má formação da lágrima afeta o trabalho de proteção dos olhos, compromete a saúde ocular e pode desencadear infecções graves.(5,6)

Este estudo apresenta a elaboração de um instrumento que auxilia indivíduos com alterações motoras para aplicação de colírio de forma independente, criamos um novo conceito ergonômico de frasco aplicador de colírio, para que esta população possa executar suas AVD’s de forma autonôma com a exploração das potencialidades do seu resíduo funcional.

 

Métodos


Este projeto foi desenvolvido na Fundação Armando Álvares Penteado, e aprovado no conselho de ética em pesquisa CEP N° 1092211014, da Universidade Federal de São Paulo / Escola Paulista de Medicina - UNIFESP. Devido à possibilidade de inserir um novo produto no mercado foi requerido o pedido de registro de desenho industrial junto ao instituto nacional da propriedade industrial (INPI), sob o número de protocolo 018140015068 na Unidade DIREG SP.

Desenvolvimento

O trabalho apresenta a ideia de elaboração, construção e validação de um dispositivo ergonômico de aplicação do colírio para indivíduos com alterações motoras. Para compreensão e aperfeiçoamento das tecnologias de embalagens de colírio e dispositivos de apoio para o uso foi realizado um estudo de mercado, para entender qual a variação média da abertura de um bico, seus formatos e tipos de aplicadores para mensurar o tamanho de uma gota que define a medida de uma dose do fármaco e mecanismo de instilação.(6)

Também estudado a anatomia da face, como a distância do centro do osso nasal ao centro do processo do osso zigomático, e a largura e altura da distância média, próxima ao limite da fissura supra orbital e o processo zigomático do maxilar.(7,8) Medidas padronizadas da mão avaliando e classificando os movimentos cinemáticos e ergonômicos de indivíduos com alterações motoras, com perdas funcionais dos membros superiores e seu impacto no uso de um frasco de colírio. (9-10)

Com base nessas informações foi desenvolvido um protótipo e novo conceito de embalagem do frasco de colírio para ser utilizado por indivíduos com alterações motoras.

Validação

O protótipo do conceito ergonômico do aplicador de colírio foi testado em um indivíduo de 23 anos, sexo feminino, ensino superior completo, diagnóstico de artrite reumatoide, CID 10-M 08.0 (Artrite Reumatoide Juvenil) apresenta paralisia motora nos membros superiores e inferiores, cadeirante, semi-dependente para as atividades de vida diária, de força muscular %MRC 40% em 12 músculos testados em MMSS, apresenta compensação motora com variação gradual de moderada a grave para o uso de objetos com necessidade da coordenação motora fina.

Após o desenvolvimento do protótipo foi realizado o teste de validação do conceito ergonômico em um indivíduo com alterações motoras, todo o processo foi devidamente explicado e assinado o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

Para que o indivíduo pudesse avaliar o protótipo do conceito ergonômico do aplicador de colírio, após realizar 2 vezes o teste foi respondido um questionário sobre o uso do produto, a interface do objeto, o conforto, o formato para segurar o objeto, a eficiência, a facilidade do manuseio, tamanho e forma, ancoragem na face e para sua classificação foi utilizado a escala de Likert. (11) As oito questões foram pontuadas de 1 a 5, onde 1 representa muito insatisfeito, 2 insatisfeito, 3 nem insatisfeito, nem satisfeito, 4 satisfeito, 5 muito satisfeito.

Análise

Realizada uma análise descritiva do desenvolvimento do produto, e do teste realizado em um indivíduo com alteração motora.
 

Resultados


Protótipo

Desenvolvimento do suporte para órbita

Os primeiros esboços com base nos dados encontrados na pesquisa anatômica da face e medidas da mão para segurar um objeto por diferentes indivíduos, estabelecendo um equilíbrio entre as formas e as características das curvas e linhas principais da composição, com base nos pontos de apoio da face e proporção adequada da forma do objeto.(7-10) A medida encontrada no exemplar a partir da distância do centro do osso nasal ao centro do processo do osso zigomático foi de 44 mm, considerou-se a medida como a largura do protótipo e sua altura, a distância próxima ao limite da fissura supra orbital e o processo zigomático do maxilar de 36 mm. Estas medidas surgem como base para o modelo do conceito ergonômico, do design a ser elaborado para abranger indivíduos com variações da largura e altura da órbita.(9-10,12)

Após estudo dimensional as medidas de referência do crânio, uniram-se às medidas dos óculos de natação, que possuem parâmetros geométricos semelhantes às tecnologias definidas neste protótipo para encaixe ocular (Figura 1).


 


Desenvolvimento do suporte do aplicador

Para a definição do conceito tecnológico básico, foi implementado o estudo da órbita para definição de medidas orbitais. A literatura demonstrou que pessoas do sexo masculino e feminino com idades entre 10 e 60 anos apontam para uma variação média de 8,77 milímetros (mm) entre crânios estudados com medidas proximais dos pontos de aferição a altura da órbita, usando como referência anatômica os forames e aferição da largura da órbita, usando como referências anatômicas.(6,8)

Com relação ao processo de formação de gotas, a literatura demonstra que, em diferentes produtos disponíveis no mercado, a geometria do bico influencia na formação da gota e de seu volume, pois estas apresentaram uma variação média de 33 microlitros por dose de medicamento, com uma taxa de perda do medicamento de 15% a 90% devido à falta de padronização dos bicos dos frascos de colírio.(6)

O protótipo foi concebido para não permitir acúmulo de resíduos e culturas orgânicas que contamine o medicamento respeitando as características estéticas, ergonômicas para proporcionar conforto durante a aplicação (Figura 2).


 


Validação

O comprometimento dos membros impede a plena movimentação, o que limita para grandes esforços físicos, existe a compensação do movimento e esforço exercido pelo indivíduo através da forma e posição de aplicação.

Com base na percepção do usuário sobre o novo modelo de aplicador de colírio, é possível validar em indivíduos com alterações motoras em níveis moderados, indicando assim maior eficiência e conforto, o que indica maior autonomia em suas atividades da vida diária. As disposições dos espaços para os dedos foram eficientes para firmeza do objeto nas mãos e verificou-se uma aprovação sobre sua forma. Os testes com o voluntário indicam a eficiência da nova posição para aplicação e apoio na face, sua movimentação e coordenação para levá-lo ao rosto mostrou-se confortável pela superfície de contato.

Durante o uso a voluntária evidenciou o bom desempenho da nova disposição para aplicação de colírio como cita: “Quanto ao uso, é muito melhor, mais prático, confortável e eficiente para aplicação”. A forma mostrou-se eficiente, em seus movimentos e coordenação para levá-lo ao rosto, confortável devido à superfície flexível de amortecimento, macia e com toque suave no rosto, como afirma: “É realmente muito confortável, pois não machuca os olhos na hora da aplicação”.

As posições dos encaixes para os dedos revelaram-se eficientes para firmeza do objeto nas mãos com a aprovação: “O formato para segurar o objeto é seguro, devido os espaços para localizar os dedos, se tornando mais fácil no momento de segurar o objeto em uma mesa sem auxílio de outra pessoa”. O questionário com a pontuação da escala de Likert, apresentou no total de 27 pontos, a média = 4, representando satisfação do produto.

A forma da embalagem considera os padrões de movimentos e medidas das mãos para possibilitar que o maior número de usuários utilize o objeto com autonomia, conforto e proporcionando uma fácil mobilidade no cumprimento da função. Favorece a independência do indivíduo impedido de utilizar qualquer tipo de embalagem de colírio. Observamos na figura 3 o conceito ergonômico do frasco para aplicação de colírio. (6-8,10,12-13)


 



Discussão


O uso de fármacos oftalmológicos é um desafio para pessoas com alterações motoras, o manuseio de um frasco aplicação de colírio abrange o envolvimento de várias vias motoras e sensoriais para a execução desta atividade. O instrumento desenvolvido oferece uma possibilidade de acesso independente essa questão, pois além da autonomia que proporciona ao indivíduo com alteração motora, pode gerar no contexto familiar maior confiança sobre a segurança do frasco, do uso e da continuidade de tratamentos.(13,14)

A forma de uma embalagem que considere padrões de movimentos e medidas das mãos possibilita que o maior número de usuários utilize o objeto com autonomia, conforto e proporcione melhor mobilidade no cumprimento da função para indivíduos com alterações motoras, favorecendo sua independência.(2-4,6-10, 12-13)

Uma das áreas do conhecimento que apresenta grande potencial gerador de soluções é o design, que visa em seu conceito filosófico o projeto, a idealização, a concepção e elaboração de um objeto, considerando a facilidade de uso, aspectos emocionais, sociais na estrutura estética das soluções.(3,9)

Do modo geral soluções tecnológicas são criadas para minimizar as dificuldades das pessoas com alguma deficiência, contudo, são poucos aqueles que relacionam o design e a análise especifica de indivíduos e os problemas cotidianos que estes enfrentam.(3)

Produtos industriais normalmente seguem linhas de desenvolvimento que pouco tangencia as necessidades especiais de pessoas com deficiência.(6) Diante desta realidade, a secretaria de direitos humanos da presidência da república (SDH-PR), propõe a interdisciplinaridade acadêmica na pesquisa, visando o desenvolvimento de estratégias que tenham como soluções tecnológicas produtos e recursos para inclusão e independência de pessoas com deficiência, mobilidade reduzida ou incapacidades.(2,15)

Para tal, o conceito de tecnologia assistiva estimula a pesquisa e o desenvolvimento de objetos que facilitem o desempenho funcional, que proporcione estímulos à percepção e a capacidade de aprender promovendo independência e autonomia em AVD.(2-3)

Atrelada à tecnologia assistiva está o conceito de design assistivo, que busca estratégias interdisciplinares de criação e concepção de soluções tecnológicas para apresentar propostas inovadoras, com foco no melhor desempenho do indivíduo no cumprimento de uma determinada ação.(3)

A importância de desenvolver soluções que atendam as pessoas com deficiência chama a atenção para fatores que contribuem para práticas diárias como vestir, comer e realizar a higiene pessoal.3. De acordo com está observação o design assistivo proporciona estudos de conceitos e soluções de produtos e serviços projetados especificamente para melhorar a qualidade de vida em AVD´s, com a adoção de estratégias disrruptivas que colocam práticas inovadoras no foco do desenvolvimento e pesquisa.(3-10,12)

A avaliação do contexto social para a execução de AVD, qual a amplitude funcional e as restrições que a deficiência proporciona ao indivíduo são a base para o direcionamento da pesquisa na busca de soluções que proporcionem bem-estar, autonomia e conforto com melhor desempenho.(16)

O contexto familiar e consequentemente sua importância para o indivíduo com deficiência é de suma importância para o desenvolvimento tecnológico e para orientação das pesquisas em design assistivo, seu impacto proporciona maior autonomia nas atividades de vida diária, cria uma situação de conforto a fim possibilitar a redução da carga emocional, fortalecendo as relações de confiança no círculo familiar.(2-3,9-10,12-13,15)

A ergonomia e usabilidade é a operação satisfatória e eficiente da interação realizada entre o indivíduo e a tecnologia, é a experiência de como é utilizada uma tecnologia. Trata diretamente as características de um produto que o torna de fácil compreensão, de uso intuitivo, possibilita a melhora do desempenho da tarefa a ser executada pelo usuário.(9)

Segundo a International Standards Organization (ISO) identificar fatores que influenciam a usabilidade como: eficácia, eficiência e satisfação, ou seja, um bom desempenho leva em consideração a atitude do usuário em relação ao objeto no contexto de uso que amplia a sensação de satisfação do produto. Esses fatores e itens propensos à verificação por um grupo específico de usuários pode atingir metas definidas em contextos sociais diferentes.(2,9-10,12,17)

Entendeu-se a relação entre a mobilidade de uma pessoa com alteração motora e sua autonômia através do reisduo funcional, para executar uma atividade da vida diária com o estudo das limitações de um voluntário para validar um novo conceito ergonômico do aplicador de colírio.

O manuseio de um frasco aplicador de colírio exige grande atividade neuromuscular, visual e estabilidade mecânica. O uso de fármacos para oftalmologia apresenta desafio para indivíduos com alterações motoras. Assim, o instrumento desenvolvido pode solucionar essa questão, pois além da autonomia, pode gerar no contexto familiar maior confiança sobre a segurança do frasco, do uso e da continuidade de tratamentos.

Com base na aceitação do modelo pelo voluntário, indica como viável o conceito ergonômico idealizado, passível de maiores estudos para seu aperfeiçoamento. Após a avaliação e estudo de produtos disponíveis no mercado, optou-se em desenvolver um frasco de colírio que possa ser utilizado apoiando-se o mesmo na face, pois com base na literatura, existe uma simetria natural entre as órbitas dos dois lados da face, dimensões na órbita similares com mínimas variações entre sexos, as faixas etárias têm distribuição normal.(6-8)

A solução tecnológica utilizada apresentada de auxílio para instilar corretamente o colírio, mostrou-se uma boa alternativa, pois permite ao mesmo tempo uma posição correta do frasco de colírio e mantém a estabilidade de posição apoiando o dispositivo na face, garantindo da posição correta do frasco de colírio em relação ao bulbo ocular.

Não foram encontradas soluções tecnológicas que não exijam a utilização de movimentos refinados da mão e dos membros superiores, utilizados para exercer a pressão necessária para gerar a gota no momento de ser instilada.(13)

 

Conclusão


O protótipo de frasco de aplicação de colírio obteve sucesso no teste submetido e o conceito ergonômico foi avaliado pelo participante com comprometimento motor como um objeto adequado para a função proposta com eficiência e conforto.

 

Referências

 

  1. 1. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico. Vamos conhecer o Brasil [Internet]. Brasília (DF): IBGE; 2014. [citado 2014 Mai 6]. Disponível em: http://7a12.ibge.gov.br/vamosconhecer- o-brasil/nosso-povo/caracteristicas-da-populacao
    2. Brasileiro IC, Moreira TM, Jorge MS, Queiroz MV, Mont’Alverne DG. Atividades e participação de crianças com paralisia cerebral conforme a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Rev Bras Enferm. 2009;62(4):503-11.
    3. Persson H, Åhman H, Yngling AA, Gulliksen J. Universal design, inclusive design, accessible design, design for all: different concepts— one goal? On the concept of accessibility— historical, methodological and philosophical aspects. Univ Access Inf Soc. 2014;14(4):1-22.
    4. GMFCS – E & R: Sistema de Classificação da Função Motora Grossa. Ampliado e Revisto. Traducão de Daniela Baleroni Rodrigues Silva, Luzia Iara Pfeifer e Carolina Araújo Rodrigues Funayama. [citado 2014 Mai 6 ]. 2007. 6p. Disponível em: https://canchild.ca/ system/tenon/assets/attachments/000/000/075/original/GMFCSER_ Translation-Portuguese2.pdf
    5. Sasaki H, Yamamura K, Nishida K, Nakamura J, Ichikawa M. Delivery of drugs to the eye by topical application. Progr Retinal Eye Res. 1996;15(2):583-620.
    6. Chung M, Santos VR. Avaliação do volume e da uniformidade das gotas de sete colírios a venda no mercado brasileiro. In: 51° Reunião Anual da SBPC para o Avanço do Projeto da Ciência; 2001 Jan 16. Porto Alegre, Brasil.
    7. Rocha JR, Lambert PL, Carneiro Junior B, Sarmento VA, Almeida Junior E. Avaliação da simetria de dimensões lineares em órbitas de crânios humanos secos. Clin Pesq Odontol. (Curitiba). 2006; 2(3):195-201.
    8. Rossi M, Ribeiro E, Smith R. Craniofacial asymmetry in development: an anatomical study. Angle Orthodont. 2003; 73(4):38-5.
    9. International Ergonomics Association (IEA). Definition and domains of ergonomics [Internet]. [cited ]2014 May 6]. Available from: http:// www.iea.cc/whats/index.html.
    10. ISO/IEC GUIDE 71:2001(E). Guidelines for standards developers to address the needs of older persons and persons with disabilities [Internet]. [cited 2015 May 6 ]. Available from: http://www.iso.org/ iso/iso_iec_guide_71_2001.pdf
    11. Likert R. A technique for the measurement of attitudes. Arch Psychol. 1932;140:1-55.
    12. Associação Brasileira de Ergonomia (ABERGO). O que é ergonomia [Internet]. [citado 2017 Nov 5]. Disponível em: http:// www.abergo.org.br/internas.php?pg=o_que_e_ergonomia.
    13. Santvliet LV, Ludwig A. Determinants of eye drop size. Surv Ophthalmol. 2004: 49(2):197- 213.
    14. Freedman VA, Martin LG. Commentary: dissecting disability trends – concepts, measures, and explanations. Int J Epidemiol. 2006; 35:1261-3.
    15. Roberto AM. Conceito Bobath tratamento neuroevolutivo [Internet]. São Paulo: Associação Brasileira de Assistência e Desenvolvimento Social - ABADS. [ citado 2014 Mai 6]. Disponível em: http://www. abads.org.br/view_materia.php?i=420&s=68
    16. Petean EB, Murata MF. Paralisia cerebral: Conhecimento das mães sobre o diagnóstico e o impacto deste na dinâmica familiar. Paidéia. 2000;10: 40-6.
    17. International Standards Organization (ISO) ISO 9241-11:1998. Ergonomic Requirements for Office Work with Visual Display Terminals (VDTs) – Part II Guidance on usability [ Internet]. 1998. 22p. [cited 2014 May 6]. Available from: http://www.iso.org/iso/ catalogue_detail.htm?csnumber=16883

     

 Rua São Salvador, 107 - Laranjeiras - RJ - Cep: 22.231-170    Tel.: +55 (21) 3235-9220 | Fax.: +55 (21) 2205-2240    E-mail: sbo@sboportal.org.br